terça-feira, 27 de maio de 2014

Grêmio (RS) 2x0 Sampaio Corrêa - Campeonato Brasileiro 1974


Atuando pela primeira vez fora dos seus domínios, o Sampaio Corrêa não conseguiu resistir durante os noventa minutos ao maior poderio técnico do Grêmio de Porto Alegre, líder do Grupo A do Campeonato Nacional, saindo do Estádio Olímpico derrotado através do marcador de dois tentos a zero, gols consignados por Mazinho, em peleja que foi dirigida por José de Assis Aragão.

Durante os primeiro 45 minutos iniciais, o esquadrão boliviano exibiu um esquema defensivo, deixando apenas na frente os jogadores Buião e Dionísio, numa demonstração flagrante que pretendia pelo menos alcançar um resultado em branco que terminou por não acontecer quando, aos 45 minutos, Mazinho, cobrando falta de fora da área, acertou a cruzeta esquerda do goleiro Orlando.

A primeira etapa pertenceu inteiramente ao clube gaúcho que, praticando um futebol rápido e insinuante, obrigou a que o setor da retaguarda sampaíno se desdobrasse para evitar por várias vezes a queda da cidadela de Orlando, também muito empenhado, praticando algumas boas intervenções. Os ponteiros Ailton jogou bastante recuado, o mesmo acontecendo com Djalma Campos, detalhes que ofereceram condições a que o Grêmio pudesse dominar amplamente as ações atuando o tempo todo dentro do meio campo do Sampaio. Dessa maneira, levando-se em conta que dificilmente um sistema retrancado tem condições de aguentar uma forte pressão adversária durante 45 minutos, o time boliviano viu cair por terra as suas pretensões.

Os atacantes Dionísio e Buião praticamente sozinhos até que tentaram algumas situações de perigo para Picasso e o Sampaio, em dois lances isolados, esteve a pique de marcar não fosse a falta de sorte no momento das conclusões. Perdendo o domínio no meio-campo, onde apenas Lourival aparecia com destaque, o time sampaíno em momento algum da partida conseguiu equilibrar as ações.

Na fase final o nosso representante voltou com uma substituição simplesmente ridícula, entrando Arizinho para a quarta-zaga, sendo deslocado Raimundo, uma das boas figuras do jogo, para a lateral-direita, saindo por conseguinte Marinho. Essa substituição que terminou modificando todo o setor defensivo sampaíno, possibilitou que o Grêmio pudesse forçar mais as jogadas pelo meio. Em compensação, Djalma Campos cedeu o seu posto a Jorge Luís, que mesmo perdendo a bola em demasia, conseguiu oferecer mais espaço para o centroavante Dionísio, outro bom valor do Sampaio.

A partir dos 20 minutos desta etapa do jogo, o Sampaio se soltou um pouco à gente, abrindo, no entanto, alguns claros onde os atacantes Iura e Társio começaram a penetrar. E justamente num lançamento nas costas do lateral Santos, Tarcísio, depois de bater a Morais, que saia na cobertura, foi ao fundo e num cruzamento, ofereceu chances a que Mazinho pudesse marcar o segundo tendo gremista, após uma falha clamorosa do arqueiro Orlando, que deixou a bola escapulir de suas mãos para dentro da pequena área. Estava estabelecida a vitória do Grêmio.

O quadro boliviano ainda tentou buscar o seu tento de honra e quase chegou lá, numa boa atrama de Ailton pela ponta-canhota, cruzando forte para Buião tocar de dentro da pequena área em cima do guardião Picasso, que levou muita sorte no lance. O placar de 2 a 0 em favor do time gaúcho espelhou com fidelidade e sua melhor presença dentro do gramado de jogo, diante de um Sampaio que já contava cm a derrota, mas que saiu de São Luís acreditando inclusive em poder conseguir um empate.

Sampaio repetiu os mesmos erros – A derrota do Sampaio Corrêa diante do Grêmio de Porto Alegre já era esperada e devidamente incluída naquilo que se chamou de tabela hipotética da Diretoria boliviana. A própria torcida do Mais Querido jamais alimentou uma leve esperança de que o seu time pudesse surpreender o quadro gaúcho no Estádio Olímpico, e talvez por isso a derrota, assistida pela televisão, tenha sido recebida sem maiores problemas.

O Sampaio Corrêa, como toda equipe que sai dos seus domínios para jogar fora, manteve-se o tempo todo retrancado, tentando prender a bola e fazer o tempo passar, o que acabou conseguindo até o final da primeira etapa quando foi surpreendido com um tento de falta de Mazinho, na cobrança de falta de fora da área aos 45 minutos.

Jogou um primeiro tempo apenas discreto, sem qualquer poder ofensivo, deixando na frente apenas Buião e Dionísio, presa fácil para o cem montado esquema defensivo do quadro gremista. O seu meio campo completamente dominado, onde Djalma aparecia como a peça mais negativa e Lourival prendendo muito o jogo sem ter a quem passar, de vez que o Grêmio marcava sob pressão, evitando que o nosso representante saísse de seu próprio campo de defesa. Várias vezes os centrais Morais e Raimundo abusaram no retardamento da bola apara o goleiro Orlando, numa demonstração clara e evidente de que quando o time é pressionado, não sabe sair jogando atrás.

Na fase complementar, mesmo inferiorizado no marcado, o Sampaio não se arriscou em busca do empate porque temia sofrer uma goleada impiedosa por parte do Grêmio, resolvendo adotar a mesma cautela exibida nos primeiros minutos da partida. E, inclusive, poderia até ter perdido pelo placar apertado de 1 a 0 não fosse a infeliz mexida na retaguarda, abrindo dois claros com uma única substituição quando Arizinho entrou para a quarta-zaga, indo Raimundo para a lateral-direita, numa alteração simplesmente infantil. Nem Raimundo foi o mesmo jogador na lateral-direita, nem Arizinho conseguiu oferecer a mesma segurança do primeiro tempo na zaga central. Dai o total domínio do onze gaúcho, que passou a explorar mais os lados, principalmente o direito, onde Tarcísio, com boas deslocações, caía constantemente nas costas do lateral Santos, para depois buscar a linha de fundo para os cruzamentos. Numa dessas jogadas de Tarcísio aconteceu o segundo gol, depois da falha de Orlando e falta de cobertura na entrada da área.

Mesmo ciente de que o Sampaio Corrêa fatalmente sucumbiria ante o melhor desempenho técnico do esquadrão dos pampas, esperávamos pelo menos que nosso time apresentasse um futebol mais corajoso e que não surgisse durante a partida os mesmos erro de outras jornadas. Infelizmente as jogadas erradas se repetiram, com Dionísio isolado no comando numa luta desigual contra a zaga contrária, Airton muito preso na intermediária, Lourival demorando muito a fazer os lançamentos e Jorge Luís exagerando nas jogadas individuais.








FICHA DO JOGO

Grêmio (RS) 2x0 Sampaio Corrêa
Data:
27 de Abril de 1974
Local: Estádio Olímpico
Renda: Cr$ 52.121,00
Público: Não fornecido
Juiz: José Assis Aragão (SP)
Bandeirinhas: Airton Bernardoni e José Carlos Vonmedgan
Gols: Mazinho aos 45 minutos do primeiro tempo; Torino aos 25 minutos do segundo tempo
Grêmio (RS): Picasso; Everaldo, Beto Fuscão, Beto e Jorge Tabajara; Orcino e Torino; Jura (Humberto Ramos), Mazinho, Tarcísio e Bolívar (Louro). Técnico: Sérgio Moraes Torres   
Sampaio Corrêa: Orlando; Marinho (Arizinho), Moraes, Raimundo e Santos; Nandes e Lourival; Buião, Djalma (Jorge Luis), Dionísio e Ailton. Técnico: Gualter Aguirre

Nenhum comentário:

Postar um comentário