terça-feira, 29 de julho de 2014

CONFRONTO - Sampaio Corrêa x Ponte Preta (SP)



Ao longo da história, Sampaio Corrêa e Associação Atlética Ponte Preta já se enfrentaram em apenas três oportunidades. Nas duas primeiras, dois jogos amistosos em São Luís, na década de 1950. No terceiro e último confronto, um jogo válido pelo Campeonato Brasileiro de 1977. No total, a equipe de Campinas enfrentou clubes maranhenses em quatro oportunidades - três diante do Sampaio Corrêa e uma partida contra o Moto Club, no dia 27 de Março de 1955 (após a primeira partida entre Ponte e Sampaio Corrêa). O Papão do Norte acabou goleado pelo placar de 6x0. No total, contra clubes maranhenses, foram três vitórias e um empate. O time paulista assinalou 15 gols e sofreu apenas três. Contra o Sampaio Corrêa foram três jogos, com duas vitórias para a Ponte e um empate - 9 gols dos paulistas contra três dos bolivianos.

RESUMO

23/Março/1955-Sampaio Corrêa 1x5 Ponte Preta
29/Março/1955-Sampaio Corrêa 2x4 Ponte Preta
19/Outubro/1977-Sampaio Corrêa 0x0 Ponte Preta

SAMPAIO CORRÊA X PONTE PRETA (SP) - AMISTOSOS EM 1955

“De acordo com a última comunicação entre dirigentes da Ponte Preta de São Paulo que ora se encontra em Belém do Pará e o desportista Nagib Feres, patrocinador da temporada em apreço, a primeira turma daquela delegação aqui estarão amanhã à tarde.

ESPERADOS ÀS 18 HORAS – Apurou nossa reportagem que o aparelho da Panais do brasil que conduzirá a esta capital chegará ao aeroporto do Tirirical às 18 horas, sendo os mesmos recebidos por uma comissão de desportistas locais e a imprensa especializada em geral. Estes em seguida se deslocarão para o Hotel Maranhense, onde ficarão hospedados.

Amanhã à noite quando da reunião dos membros do Conselho Técnico de Futebol da FMD, serão designadas as autoridades para o primeiro jogo da Ponte Preta nesta capital, que será contra o Sampaio Corrêa, devendo ser designado para dirigir o prélio em apreço o sr. Leôncio Rodrigues Sobrinho, convidado para tal fim.”

“Está previsto para a noite de hoje o sensacional encontro entre a Associação Atlética da ponte Preta de Campinas e o Sampaio Corrêa, bicampeão estadual, reunindo assim maranhenses e paulistas num sensacional prélio interestadual de futebol.

Grande interesse despertado no sei do público desportivo local, não somente por tratar-se de uma exibição do Sampaio Corrêa como também pela curiosidade de poder presenciar boas jogadas de elementos de projeção, tais como Bibe, Friaça, Andú, Waldir e outros, esperando-se por tal motivo que a renda de hoje à noite supere as demais já realizadas em prélios interestaduais noturnos já realizados em São Luís."

“Desde às 18 horas de ontem está na gleba das palmeiras a briosa delegação da Associação Atlética Ponte Preta de Campinas (São Paulo). Os bandeirantes, que foi amplamente notificado, realizará entre nós uma estação de dois jogos, iniciando-se quarta, quando preliarão com o bicampeão da cidade, o Sampaio Corrêa, e encerrarão domingo, contra o Moto Club.

Ontem apenas chegou uma parte da delegação, porém, toda a embaixada está composta de 24 pessoas, tendo na presidência da mesma o sr. Aldo Rizzardo; secretário – Sérgio Banzonni, que também é locutor da Rádio Brasil de Campinas; Jornalista Hélio Pinto, representante de A Gazeta Esportiva em Pernambuco, estando para aquele jornal e o seu em Recife, Diário do Norte. Os demais componentes: Moacir Moraes (técnico), Sinécio (massagista), jogadores: Andú e Ciasca (goleiros), Derem, Joel e Homero (zagueiros), Feitiço, Carlito Roberto, Carlinhos e Albano (médios), Noca, Baltazar, Nininho, Biné, Jansen, Paulinho, Friaça e Pretinho (atacantes).

A direção técnica do ‘Mais Querido’ encara com bastante seriedade seu compromisso amanhã contra a Ponte Preta. E tanto é verdade que já providenciaram os bolivianos solucionar alguns problemas para a sua formação, com vistas a esse cortejo. O caso da meta parece que será solucionado com a presença de Lessa, que já se encontra em São Luís. A zaga será a mesma das últimas apresentações (Terrível e Ribamar). Havia um fato que preocupava a direção técnica, a ausência de um centro-médio. É que a saída de Benicio pata o Moto deixou uma lacuna na posição e até hoje os tricolores não conseguiram reparar totalmente. Entretanto, vão os campeões conseguir para amanhã a presença de Palheta, a título de empréstimo.”

“Os paulistas impressionaram bastante e o resultado foi a inauguração do marcador numa recarga de Baltazar aos 5 minutos de luta. O Sampaio Corrêa, demonstrado esforço, através de seu atacante Lourival, que driblou quase toda a defesa da Ponte Preta, conseguiu o tento de empate aos 12 minutos de luta. Graças a um ‘presente’ de Terrível, pode a Ponte Preta partir para a vantagem com um belíssimo tento de Noca aos 27 minutos, tento nessa meia etapa de luta o Sampaio decrescido de produção, o que deu margem para que mais uma vez Baltazar aumentasse o placar para 3x1, quando o cronograma assinalava 40 minutos de luta. Mais alguns lances e a partida chegou ao seu término.

A ETAPA COMPLEMENTAR – Várias alterações foram realizadas na etapa complementar, tendo Osvaldo substituído a Lessa, e mais tarde Friaça entrou no lugar de Bibe, enquanto Nininho era substituído por Paulinho. Waldir cedeu lugar a Joel, todos da Ponte Preta, enquanto no Sampaio Wallace entrou no lugar de Lobinho, tento Ribamar descido para o papel de médio-volante e mais tarde Neto e Sapeca substituíram a Reginaldo e Josafá. Friaça aos 15 minutos cobrando uma falta da altura da linha branca, assinalou o 4 tento da partida, enquanto Baltazar encerrou a contagem aos 44 minutos, no mais belo goal da noite, quando de cabeça escorou um centro de Friaça. Os pontepretanos agradaram ao público que se encontrava no Santa Izabel, muito embora estes não tivessem mostrado tudo o que sabem em matéria de futebol”




FICHA DO JOGO

Sampaio Corrêa 1x5 Ponte Preta (SP)
Data:
23 de Março de 1955
Local: Estádio Santa Izabel 
Juiz: José Gonçalves da Silva
Bandeirinhas: Lourival Amaral e Heitor Nunes
Renda: Cr$ 51.790,00
Público: não divulgado
Gols: Baltazar aos 5, Lourival aos 12,  Noca aos 27 e Baltazar aos 40 minutos do primeiro tempo; Friaça aos 15 e Baltazar aos 44 minutos do segundo tempo
Sampaio Corrêa: Lessa (Osvaldo); Terrível e Ribamar (Wallace); Cacaraí, Serra e Lobinho (Ribamar); Gedeão, Lourival, Mozart, Reginaldo e Jesus (Neto)
Ponte Preta (SP): Andú, Derem e Waldir (Joel); Bruninho, Pitico e Carlinhos; Noca, Baltazar, Nininho (Paulinho), Bibi (Jansen) e Jansen (Friaça)

FICHA DO JOGO

Sampaio Corrêa 1x4 Ponte Preta (SP)
Data:
29 de Março de 1955
Local: Estádio Santa Izabel 
Juiz: Antônio Bento Cantanhede Farias
Renda: Cr$ 67.000,00
Público: não divulgado
Gols: Nininho aos 4, Friaça aos 32 e Nininho aos 35 minutos do primeiro tempo; Lourival aos 5, Ribamar aos 18 e Paulinho aos 24 minutos do segundo tempo
Sampaio Corrêa: Lessa; Terrível e Ribamar (Carapuça); Cacaraí, Calango (Ribamar) e Henrique Santos (Rui); Lourival (Gedeão), Mozart, Rui (Lourival), Josafá (Henrique Santos) e Esmagado
Ponte Preta (SP): Andú, Derem e Waldir (Homero); Bruninho (Albano), Pitico e Carlinhos; Friaça (Noca), Baltazar, Nininho (Paulinho), Bibi e Jansen

SAMPAIO CORRÊA X PONTE PRETA (SP) - CAMPEONATO BRASILEIRO 1977

“Chefiada por José Camargo, desembarcou ontem às 14 horas no aeroporto do Tirirical, a delegação da Ponte Preta de Campinas, que no último domingo apresentou-se em Teresina e venceu ao Flamengo por 2 tentos a 1. Na equipe que atuará em São Luís não estará o artilheiro Rui Rei, que será vendido ao futebol do México, tendo em vista que contra si pesam sérias acusações por parte da torcida campineira, devido à sua expulsão no jogo decisivo com o Corinthians Paulista. Contido, a Ponte traz bons valores, entre eles o goleiro Carlos, o central Oscar, o meia Dicá, o centroavante Tuta e o ponteiro-direito Lúcio, que esteve sendo olhado pelo técnico Cláudio Coutinho para ser convocado para a Seleção Brasileira.

Falando à reportagem de O IMPARCIAL ainda no aeroporto, o treinador Zé Duarte disse que seu time sentiu bastante a temperatura em Teresina, cerca de 36 graus, e que por isso mesmo este não praticou o seu verdadeiro futebol. Mesmo assim, adianta, ‘fomos superiores ao adversário e a vitória, acredito, foi mais do que justa’. Do atual quadro sampaíno, ele praticamente nada sabe, Apenas considerou bom o resultado do time local diante do Corinthians e garantiu que a Ponte pode apresentar um bom futebol amanhã, com as voltas de Oscar e Dicá.

“O Sampaio terá hoje o seu mais difícil compromisso no grupo C do Campeonato Brasileiro, ao enfrentar a poderosa equipe da Ponte Preta, de Campinas, a partir das 21 horas, no Estádio Municipal Nhozinho Santos. Neste jogo, a exemplo do realizado no último domingo, está despertando o maior interesse do público, principalmente depois que a equipe boliviana empatou com o Corinthians paulista sem abertura de contagem.

Além disso, mesmo sabendo-se que a Ponte Preta não é um time de massa, o seu cartaz hoje em todo o Brasil é reconhecido pelo futebol que pratica, chegando mesmo a ser qualificado com ‘uma injustiça’ a perda do título do certame paulista deste ano. Empatando com o campeão paulista, tem o Sampaio a obrigação de pelo menos repetir o empate com o vice, fato este que entretanto não chega a ser lógico, se analisar-se a maneira de jogar da Ponte e do Corinthians.

A Ponte Preta é uma equipe que prima pelo toque de bola e que faz muitas tabelas na entrada da área, para marcar gols bem de pertinho do goleiro, apesar de que esta não é a sua única opção, já que possui eméritos chutadores, como Parraga e Tuta e um exímio cobrador de faltas que é Dicá.

Seus dois ponteiros são velozes e, principalmente, Lucio, o direito, que vai sempre à linha de fundo e cruza muito bem. Estes detalhes foram vistos pela TV por ocasião da decisão do certame paulista e confirmados ontem pelos jornalistas esportivos que acompanham a delegação pontepretana. A Macaca como é também apelidada indiscutivelmente é o melhor clube paulista no momento. Em Teresina, teve tudo para goelar ao Flamengo não fora a tarde infeliz do jogador Parraga, que perdeu muitos gols, e a boa atuação do goleio Bartolomeu.

O Sampaio Corrêa, apesar de ter empatado com o Corinthians, não é ainda a equipe ideal que a torcida quer para o Nacional. A retranca funcionou a contento, mas o ataque está simplesmente inoperante, pela má fase em que atravessa o centroavante Cabecinha e a ausência de ponteiros autênticos. Sua defesa e seu meio-campo ainda apresentam falhas que, se repetidas hoje, poderão redundar em graves consequências.

“EMPATAM SAMPAIO E PONTE PRETA – Tal como aconteceu com o Corinthians, campeão paulista de 77, o Sampaio Corrêa empatou com a Ponte Preta, segunda colocada no Campeonato Paulista deste mesmo ano. Significa isso que os dois maiores do futebol bandeirante, depois de sensacionais encontros que sacudiram o Brasil de norte a sul para verem qual seria o líder do ‘association’ na terra do café, ficaram reduzidos ao que são mesmo, visto como, frente ao Sampaio Corrêa, nenhum deles conseguiu modificar a opinião da torcida, a não ser para melhor.

Face a isso, o Sampaio Corrêa passou a constituir osso duro de roer para quantos clubes daqui e de fora do Estado entendam de duvidar do potencial sampaíno, que se transformou, doravante, no Campeonato Brasileiro, em pavor dos gramados, obrigando os técnicos de todos os demais clubes que tiverem de preliar com o esquadrão boliviano, a modificar seus dispositivos em campo, sob pena de fazer figura feia nos cortejos programados para o decepcionador do Corinthians e da Ponte Preta.

O resultado agradou inteiramente aos dirigentes, no treinador e aos próprios jogadores sampaínos, que deixaram o campo eufóricos, por terem ‘pulado mai suma fogueira’, mantendo a invencibilidade na fase inicial do Copão Brasil. O jogo, a rigor, foi bem disputado, levando-se em conta a filosofia empregada elos dois times, com um indo à frente em busca do gol, a Ponte Preta, e o outro jogando cautelosamente sem se precipitar, o Sampaio, até mesmo quando as condições se mostraram favoráveis. Os paulistas tiveram dificuldades para penetrar na fechada defesa maranhense, onde os zagueiros estavam sempre bem posicionados, sobrando alguém para o combate, ainda que em duas oportunidades tenha havido falhas na pequena área.

DOIS TEMPO IGUAIS – É difícil distinguir o comportamento das duas equipes dentro da partida, a não ser a má performance de Cabecinha, que foi uma figura inexpressiva durante todo o transcorrer do jogo. Se no primeiro tempo o Sampaio teve logo no início alguns momentos de audácia, logo a Ponte respondeu, obrigando o quadro tricolor a se fechar na defesa. Com isso, as opções de jogadas para os campineiros ficou sendo pelas pontas, onde Tuta e Lúcio foram muito empenhados e dos laterais se projetando no apoio. No segundo tempo o panorama pouco mudou, apesar das mexidas introduzidas nas duas equipes, sendo que no Sampaio a entrada de Adãozinho foi imperativa em razão de Vanderlei ser acometido de câimbra, e avier ter se contundido, além de muito cansado. Na Ponte, Tuta e Dicá se estafaram também e foram substituídos.











FICHA DO JOGO

Sampaio Corrêa 0x0 Ponte Preta (SP)
Data:
19 de Outubro de 1977
Local: Estádio Nhozinho Santos
Juiz:
José Leandro Serpa (CE)
Renda: Cr$ 379.026,00
Público: 20.302 pagantes
Sampaio Corrêa: Dorival; Cabrera, Paulo Fraga, Ademir e Ferreira; Rosclin, Joel e Kalú; Vanderley (Adão), Cabecinha e Xavier (Bimbinha). Técnico: Moacir Bueno
Ponte Preta (SP): Carlos; Jair, Oscar, Polozzi e Odirley; Wanderley, Dicá (Helinho) e Marco Aurélio; Lúcio, Parraga e Tuta (Afrânio). Técnico: Zé Eduardo

Nenhum comentário:

Postar um comentário